Técnicas e dicas

Pigmentos amarelos e suas histórias

Pigmentos amarelos e suas histórias

Este artigo sobre pigmentos amarelos é de Michael Chesley Johnson. Para obter mais informações sobre pigmentos amarelos e como tirar proveito de suas várias características em suas pinturas, consulte a coluna Brushing Up de Michael Chesley Johnson na edição de março de 2016 da Revista.

Nota: Todas as amostras de tinta deste artigo são de óleos Gamblin Artists Colors.

Pigmentos antigos

Antes do início da Era Industrial, os únicos pigmentos amarelos disponíveis para os pintores eram extraídos da terra.

Um dos pigmentos mais antigos, ocre amarelo, foi usada pelos antigos egípcios para pintar os tons de pele em seus murais. Ainda hoje é popular entre os artistas, em parte porque é opaco e se harmoniza bem com outras cores ou as deixa acinzentadas. A cor varia entre os fabricantes e até de lote para lote, variando de um amarelo terra claro a um marrom escuro. Esse amarelo para todos os fins cria tons de pele realistas e cores da paisagem convincentes. Sendo uma cor de terra, seca mais rapidamente que as cores minerais e orgânicas.

.

Os babilônios usavam Nápoles amarelo (antimoniado de chumbo) em cerâmica. O amarelo Nápoles verdadeiro é uma cor de terra que contém chumbo e, portanto, é altamente tóxico. Substituições modernas (ou “matizes”) geralmente contêm ocre branco, amarelo e vermelho. Às vezes, aqueço meu branco com apenas um toque de tonalidade amarela de Nápoles para aumentar o calor geral das minhas paisagens.

.

Pigmentos mais antigos (mas não antigos)

O primeiro uso de gamboge estava no leste da Ásia no século VIII. Uma vez foi feito a partir do pigmento tóxico sulfeto de arsênico. Na China, foi usado para iluminar manuscritos. O pigmento não foi derivado da terra, mas de uma substância âmbar colhida das árvores. Mais tarde, foi usado em pinturas para vidros.

.

Amarelo indiano substituiu o gamboge como uma cor vidrada em meados do século XIX. O amarelo indiano verdadeiro, que remonta ao século XV, não está mais disponível. Dizia-se que era fabricado na Índia a partir das pedras na bexiga de vacas alimentadas com folhas de manga; pesquisas recentes não apóiam isso, mas ainda contribuem para uma boa história. As substituições usadas hoje são transparentes e possuem alta resistência ao tingimento.

Pigmentos dos séculos XIX e XX

O século XIX também viu a criação de pigmentos minerais modernos, como cromo amarelo (cromato de chumbo), usado por Vincent Van Gogh e George Seurat. O amarelo cromo verdadeiro é altamente tóxico, descolora rapidamente e tem uma força de tingimento baixo.

Por volta de 1840 cádmio amarelo (sulfeto de cádmio) substituiu o amarelo cromado. Monet o usou em suas pinturas. Ambas as cores são tóxicas, mas o amarelo cádmio permanece brilhante e apresenta uma melhor força de tingimento. A versão light é na verdade um pigmento diferente daquele usado nas versões média e profunda. Os cádmios amarelos secam mais lentamente que o amarelo cromo.

.

Hansa amarelo foi fabricado pela primeira vez na Alemanha antes da Primeira Guerra Mundial. Muitos pintores preocupados com a toxicidade do cádmio estão agora mudando para as cores Hansa. O amarelo Hansa é semelhante em cor ao amarelo cádmio, mas o Hansa é transparente, mais brilhante e possui uma maior força de tingimento. Por causa deste último, vai mais longe nas misturas. Também é mais barato e pesa menos por onça, o que é importante para o pintor de plein air.

.
"Matiz" em um nome de cor

A palavra "matiz" no nome da cor do fabricante indica que a cor é feita com um pigmento (ou pigmentos) de substituição para outra cor. Por exemplo, a tonalidade amarela de Nápoles é um substituto para o amarelo de Nápoles genuíno. Tons são criados porque o pigmento genuíno se tornou muito caro, não está mais sendo extraído ou é considerado tóxico. Em alguns casos, o matiz pode ter propriedades mais desejáveis ​​do que o pigmento genuíno.

Códigos de nome de pigmentos e índices de cores

O nome da pintura, no entanto, não fornece quase tantas informações quanto o código de nome do índice de cores (código de nome C.I.). Os fabricantes de tintas usam esses códigos nas etiquetas dos tubos para identificar mais claramente os pigmentos da tinta. Por exemplo, amarelo-cádmio profundo contém PY37. "P" significa pigmento, "Y" significa amarelo e o número a seguir designa um pigmento específico, neste caso sulfeto de cádmio e zinco. Esses números são importantes porque dois tubos de tinta de diferentes fabricantes podem ter nomes de cores semelhantes e, no entanto, ser compostos de pigmentos diferentes. No entanto, esteja ciente de que, mesmo quando os fabricantes usam os mesmos pigmentos para uma cor específica, a cor real da tinta pode variar, dependendo do óleo usado como veículo, da qualidade do pigmento, do tempo de moagem e de outros fatores.


MAIS RECURSOS PARA ARTISTAS

  • Assista a oficinas de arte sob demanda no ArtistsNetwork.TV.
  • Obtenha acesso ilimitado a mais de 100 e-books de instruções de arte.
  • Seminários on-line para artistas plásticos
  • Aprenda a pintar e a desenhar com downloads, livros e vídeos da North Light Shop.
  • Assine a Revista.
  • Inscreva-se no boletim por e-mail da Rede de artistas, faça o download de uma edição GRATUITA da Revista.


Assista o vídeo: IMPRESSIONISMO - HISTÓRIA DA ARTE com MARCIO PETRONI (Janeiro 2022).